A Coruja

Olá, pessoal!

E por falar em coruja, não poderia deixar o animal e sua simbologia de fora do blog.


Por que a coruja é o símbolo da sabedoria?

Ela possui olhos adaptados para enxergar no escuro e seu olhar, para os gregos, parecia simbolizar a racionalidade.

Na mitologia grega, a coruja era a mascote da deusa Atena, geralmente relacionada à Lua. Ave noturna, ela possui os olhos adaptados para localizar suas presas sob a fraca luminosidade do luar, não suportando, por isso mesmo, a luz do Sol. Para os antigos gregos, esse olhar tornou as corujas símbolo do conhecimento racional, em oposição ao conhecimento intuitivo. O primeiro tipo de conhecimento vem da reflexão racional sobre os fatos, enquanto a intuição vem da percepção simples e imediata das coisas. Ora, como as corujas se orientam pela reflexão (da luz solar na Lua) e não pela percepção direta (da luz solar), os gregos as associaram ao conhecimento, fruto da reflexão e as sabedoria.
Fonte: Super Interessante

Por curioside, a deusa grega Atena era conhecida como Minerva pelos romanos.

Por que a expressão mãe-coruja?

Através de uma rápida pesquisa na internet, encontrei explicações que a expressão surgiu de uma fábula. Em alguns lugares, citam que é de um autor francês "La Fontaine" (1621 - 1695), outras dizem que é uma fábula portuguesa. No Brasil, ela foi recontada por Monteiro Lobato:

A CORUJA E A ÁGUIA (Monteiro Lobato)
Coruja e águia, depois de muita briga, resolveram fazer as pazes.
- Basta de guerra - disse a coruja. O mundo é tão grande, e tolice maior que o mundo é andarmos a comer os filhotes uma da outra.
- Perfeitamente - respondeu a águia. - Também eu não quero outra coisa.
- Nesse caso combinemos isto: de agora em diante não comerás nunca os meus filhotes.
- Muito bem. Mas como posso distinguir os teus filhotes?
- Coisa fácil. Sempre que encontrares uns borrachos lindos, bem feitinhos de corpo, alegres, cheios de uma graça especial que não existe em filhote de nenhuma outra ave, já sabes, são os meus.
- Está feito! - concluiu a águia.
Dias depois, andando à caça, a águia encontrou um ninho com três monstrengos dentro, que piavam de bico muito aberto.
- Horríveis bichos! - disse ela. Vê-se logo que não são os filhos da coruja.
E comeu-os.
Mas eram os filhos da coruja. Ao regressar à toca a triste mãe chorou amargamente o desastre e foi justar contas com a rainha das aves.
- Quê? - disse esta, admirada. Eram teus filhos aqueles monstrenguinhos? Pois, olha, não se pareciam nada com o retrato que deles me fizeste...
Essa fábula é atribuída ao surgimento da expressão “mãe coruja” pois aos olhos das mães os filhos são sempre perfeitos e lindos, o coração de uma mãe é o lugar mais seguro do mundo e se precisar até sangra por um filho.
Para retrato de filho ninguém acredite em pintor pai. Lá diz o ditado: quem o feio ama, bonito lhe parece.
Fonte: Fábulas. São Paulo, Brasiliense, 1972. p. 10-11.

Afinal, filhote de coruja é mesmo feio?
Que tal?

É claro que, como qualquer ave, os filhotes só ficam mais bonitos depois que a plumagem se forma por completo. Mas uma coisa é certa, os filhotes da minha mãe-coruja já nasceram bonitos desde o primeiro instante!



Uma revelação!

Acabei de ter uma verdadeira REVELAÇÃO! Enquanto pesquisava informações para esta mesma página, descobri algo que eu não fazia ideia. Acabei de descobrir que o sabão em pó OMO tem tudo a ver com a expressão mãe-coruja. Em inglês, mãe-coruja se escreve Old Mother Owl (tradução literal: velha mãe coruja). Foi da sigla dessa empressão que surgiu a marca OMO. Confirmei essa informação no próprio site da Unilever, empresa detentora da marca.
Encontrei algumas imagens de caixas dos primórdios do sabão. Notem que há uma coruja estampada. Notem também que a expressão OMO estilizada formam o semblante de uma coruja.




Coruja

Origem: Wikipédia, em inglês


As corujas são a ordem Strigiformes, constituindo 200 existentes ave de rapina espécie . A maioria são solitárias e noturnas com algumas exceções (por exemplo, o Northern Hawk Owl ). Corujas caçam principalmente pequenos mamíferos, insetos e outros pássaros embora algumas espécies se especializam em caçar peixes. Elas são encontrados em todas as regiões da Terra, exceto a Antártida, boa parte da Groenlândia e algumas ilhas remotas. Corujas não extintas são divididas em duas famílias: as típicas corujas, Strigidae, e as suindaras, Tytonidae.

Descrição
As corujas têm grandes olhos voltados para frente e orelhas-buracos, bico em formato como o de gavião, uma face plana e, geralmente, um círculo notável de penas, um disco facial, ao redor de cada olho. A maioria das aves de rapina possuem olhos nas laterais da cabeça, mas a natureza estereoscópica de olhos virados para a frente da coruja permite um maior senso de percepção de profundidade necessária para a caça de pouca luz. Embora corujas tenham visão binocular, seus grandes olhos são fixos em suas órbitas, assim como outros pássaros, e eles devem virar a cabeça toda para mudar a visão. Corujas podem girar suas cabeças e pescoços, tanto quanto 270 graus em qualquer direção.  As corujas possuem hipermetropia e não conseguem ver nada claramente dentro de poucos centímetros de seus olhos. Presas capturadas, pode ser sentida por corujas com o uso de filoplumes, que são pequenos pelos como penas  no bico e os pés que funcionam como "antenas". Sua visão a distânia, especialmente com pouca luz, é excepcionalmente boa.

A menor coruja é a Micrathene whitneyi, com apenas 31 g e 13,5 cm. Algumas das corujas pigmeus são pouco maiores. As maiores corujas são duas, a Bubo bubo e a Bubo blakistoni, que pode atingir um tamanho de 60-71 cm de comprimento, com envergadura de quase 2 m, e um peso médio de cerca de 4,5 kg.

Diferentes espécies de corujas fazem sons diferentes, a grande variedade ajuda as corujas a encontrar companheiros ou anunciando a presença de concorrentes potenciais, e também ajuda ornitólogos e observadores de aves na localização dessas aves e reconhecimento das espécies. O disco facial ajuda a canalizar o som da presa aos seus ouvidos. Em muitas espécies, estes são colocados de forma assimétrica, para melhor localização direcional.
A plumagem é geralmente de camuflagem, mas muitas espécies têm cabeça e marcas faciais, incluindo máscaras, topetes na orelha e íris coloridas. Estas marcas são geralmente mais comum em espécies que habitam ambientes abertos, e acredita-se que são para serem utilizadas na sinalização de outras corujas em condições de pouca luz.

Ovos de coruja normalmente têm uma cor branca e forma quase esférica, e variam em número de alguns a uma dúzia, dependendo da espécie. Os ovos são colocados em intervalos de 1 a 3 dias e não se chocam ao mesmo tempo. Isso explica a grande variação no tamanho dos filhotes irmãos. Corujas não constroem ninhos, mas sim olhar procuram um local protegido de nidificação ou de um ninho abandonado nas árvores, tocas subterrâneas ou em edifícios, galpões e cavernas.

Comportamento
A maioria das corujas são noturnas, caçando presas só na escuridão. Vários tipos de coruja, no entanto, são crepusculares, ativos durante o crepúsculo do amanhecer e entardecer, um exemplo é a coruja-pigmeu (Glaucidium). Poucas corujas também são ativas durante o dia, exemplos são a coruja-buraqueira (Speotyto cunicularia).

Grande parte da estratégia de caça das corujas depende de furtividade e surpresa. Corujas possuem, pelo menos, duas adaptações que as ajudam a alcançar sigilo. Em primeiro lugar, a coloração das penas podem torná-los quase invisível sob certas condições. Em segundo lugar, bordas serrilhadas na ponta das asas abafam o ruído, permitindo o voo ser praticamente em silêncio. Algumas corujas se alimentam de peixes, no qual o silêncio não é nenhuma vantagem evolutiva, falta essa adaptação.
O bico é afiado e poderosas garras permitem matar suas presas antes de engoli-las inteiras (a menos que seja muito grande). Os cientistas que estudam as dietas de corujas são ajudados por seu hábito de regurgitar a parte não digestível de suas presas (como ossos, escamas e peles) em pelotas. Essas "pelotas de coruja", que são abundantes e de fácil interpretação, muitas vezes são vendidas por empresas para as escolas para dissecação pelos estudantes como uma lição de biologia e ecologia.